Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Dia 1 de Junho - Mulheres e Feministas Unidas-os contra a Troika! Manifestação Internacional

Quinta-feira, 30.05.13

Dia 1 de Junho , 16H em Entrecampos, Lisboa
      Manifestação Internacional "Povos Unidos contra a Troika"
 
A Manifestação de dia 1 de Junho resulta de um apelo do colectivo português "que se lixe a troika" a outros colectivos, organizações, movimentos sociais de toda a Europa para encontrarem um texto e uma data comum com vista à realização de uma manifestação conjunta. De uma reunião decorrida em Lisboa a 26 de Abril e na qual participaram activistas de diversos paises, resultou o apelo conjunto para a uma manifestação no dia 1 de Junho sob o lema - Povos unidos contra a Troika!
O texto de apelo à manifestação encontra-se aqui http://queselixeatroika15setembro.blogspot.pt/
Neste momento mais de 100 cidades em 12 paises europeus estão mobilizadas. Em portugal: manifestações em 18 cidades. E o numero continua a crescer, por toda a Europa!
 
Mulheres e feministas de toda a Europa estão envolvidas nestas mobilizações e sairão nesse dia à rua para , juntamente com outros movimentos, sindicatos, partidos, cidadãos e cidadãs, recusar o desastroso caminho que nos estão a impôr e afirmar bem alto que as alternativeis são não so possiveis como necessarias e urgentes e que estamos unidos-as para exigir que elas se tornem uma realidade da qual temos de ser parte.
 
A Coordenação Portuguesa da Marcha Mundial das Mulheres apela à ampla mobilização no dia 1 de Junho.
 
Excerto do manifesto da nossa Campanha Feminista Anti Austeritaria:
 "Esta “crise” criada pelo mundo da finança, e aplicada pelos governos a seu mando, espalha-se em Portugal e nos países do sul da Europa e os discursos que cá ouvimos são os mesmos que os povos de Espanha, de Itália, da Grécia ouvem todos os dias.

 

Todos os dias ouvimos falar na “crise” e na “inevitabilidade” da austeridade e todos os dias a sentimos nas nossas vidas, nas nossas casas. A propósito da “crise” já nos mandaram emigrar, já nos chamaram piegas, já disseram que temos vivido acima das nossas possibilidades, já disseram que éramos cigarras…

 

Dizem-nos que o trabalho não é um direito, que a precariedade é inevitável. Que é natural, “inevitável” que nos despeçam, nos recusem um emprego ou o acesso a determinado posto por podermos vir a engravidar, ousarmos pensar em ter crianças, sermos mães. Dizem-nos que até é bom o regresso ao lar, afinal as mulheres hoje já não estão bem consigo, com a sua vocação, a sua natureza.

 

Dizem-nos que é “natural” e “inevitável” termos, por sermos mulheres, muito mais probabilidades de trabalhar na economia informal ou de receber um salário inferior ao que auferiríamos se fossemos homens. Dizem-nos que a violência doméstica é uma fatalidade, afinal quem não sai da relação é porque não quer, se não tem autonomia financeira é porque não quer trabalhar, ou trabalha pouco. Cortam brutalmente nos serviços públicos e esperam que sejamos nós a assumir, em trabalho não pago, o que entendem não ser bem público: a saúde, a educação, a protecção social, o cuidado dos/as idosos/as.

 

É suposto ainda acharmos natural e “inevitável” que, associado às políticas neoliberais, esteja um discurso profundamente conservador pretendendo novamente tutelar os nossos corpos e a nossa autodeterminação.

 

A isto respondemos: nada é inevitável! É tudo fruto de relações de poder, relações de força, interesses, perspectivas, escolhas. Sabemo-lo bem e não nos deixamos enganar.

 

As respostas a estes discursos e a estas políticas suicidas têm de passar pelos povos, pelos milhões de mulheres e homens que vivem diariamente

esta “crise” e que não vislumbram futuro. É pela denúncia, pela recusa, pela mobilização que passa a solução. Uma solução verdadeiramente

transformadora e emancipatória, na qual as mulheres têm um papel fundamental"

 

Manifesto na integra aqui:

https://dl.dropboxusercontent.com/u/12873188/Folheto_Campanha_Feminista_Anti-Austerit%C3%A1ria.pdf

  

DIA 1 DE JUNHO - MULHERES E FEMINISTAS UNIDAS-OS CONTRA A TROIKA!

DIA 1 DE JUNHO - POVOS UNIDOS CONTRA A TROIKA!

Juntos-as Podemos e Conseguimos!

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por: Mulheres em Marcha

1 de Junho - Povos Unidos contra a Troika!

Domingo, 26.05.13

A Marcha Mundial das Mulheres apoia a manifestação internacional de dia 1 de Junho cujo lema é Povos Unidos contra a Troika!

 

 

 

Dezenas de organizações , colectivos e movimentos por varios paises europeus apoiam e apelam à manifestação. Mulheres em Marcha contra a Austeridade. Juntos/as Podemos!

 

Informações sobre os diferentes pontos de encontros podem ser encontradas no blog do colectivo que se lixe a troika : http://queselixeatroika15setembro.blogspot.pt/

 

Aqui um excerto do apelo:

 

A Europa está sob um violento ataque do capital financeiro que se faz representar pela troika (FMI, BCE, CE) e pelos sucessivos governos que aplicam as políticas concertadas com estas entidades desprezando as pessoas. Sabemos que esta ofensiva aposta em vergar os povos, tornando-os escravos da dívida e da austeridade. Atravessa a Europa e também deve ser derrotada pela luta internacional.

Cada um de nós, em cada país, em cada cidade, em cada casa, com as suas especificidades, sente na pele as medidas que aniquilam direitos conquistados ao longo de décadas, medidas que agravam o desemprego, que privatizam tudo o que possa ser rentável e condicionam a soberania dos países sob a propaganda da “ajuda externa”. É urgente que unamos as nossas forças para melhor combatermos este ataque.

Sairemos à rua, em vários países, Portugal, Espanha, Grécia, Itália, França, Eslovénia, Inglaterra, Alemanha e outros países no próximo dia 1 de Junho: Povos unidos contra a troika
!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por: Mulheres em Marcha

Mulheres em marcha contra a austeridade - Que se Lixe a Troika e Troikistas, o Povo é quem mais Ordena!

Domingo, 03.03.13

Este sábado, 2 de Março, marchámos contra a austeridade, contra a troika e troikistas que diariamente põe em causa as nossas vidas.  Nesta sabado, por todo o pais , sairam à rua quase 1 milhao e meio de pessoas, dimensão nunca antes vista desde as manifestações de 1974. A manifestação de 15 de Setembro de 2012, convocada também por um grupo de pessoas , sob o nome "Que se Lixe a Troika, Queremos as Nossas Vidas" ja tinha sido a maior desde o 1 de Maio de 1974. A Manifestação deste sabado sob o nome "Que se Lixe a Troika, O Povo é quem mais Ordena!" conseguiu supera-la, mostrando inequivocamente que a população residente em portugal censura este governo e as politicas por ele implementadas sob a égide da Troika. Leiam o texto da moção de censura popular e fotos de todas as cidades portuguesas e estrangeiras que acolheram o protesto aqui http://queselixeatroika15setembro.blogspot.pt/

 

Deixamos aqui algumas fotos de Lisboa

A onda feminista juntou- se à Maré Arco Iris , e ambas juntaram-se às milhares de pessoas que ocuparam as ruas de Lisboa

 

Manif 2 de Março 2013 Manif 2 de Março 2013 Manif 2 de Março 2013 Manif 2 de Março 2013

Ver o álbum

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por: Mulheres em Marcha

Mais fotos da manifestação de sábado

Domingo, 03.03.13

Deixamos mais imagens de "Mulheres em marcha contra a austeridade", na impressionante manifestação que no sábado dia 2 de Março encheu as ruas de Lisboa.

 

01

02

Ver o álbum

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por: Mulheres em Marcha

MMM apoia Manifestação de dia 2 de Março. Juntem-se à onda lilás!

Sexta-feira, 22.02.13

Manifestação dia 2 de Março:

 

Que se Lixe a Troika, o Povo é quem mais Ordena!

 

Ponto de Encontro Feminista, Lisboa, 15h30: junto ao edifício da PT em Picoas

Traz vestido algo de cor lilás e junta-te!

 

      

 

Todos os dias ouvimos falar na “crise” e na “inevitabilidade” da austeridade e todos os dias a sentimos nas nossas vidas, nas nossas casas. A propósito da “crise”,criada pelo mundo da finança e aplicada pelos governos a seu mando, já nos mandaram emigrar, já nos chamaram piegas, já disseram que temos vivido acima das nossas possibilidades, já disseram que éramos cigarras…

 

Dizem-nos que o trabalho não é um direito, que a precariedade é inevitável. Que é“natural” e “inevitável” que nos despeçam, nos recusem um emprego ou o acesso a determinado posto por podermos vir a engravidar, ousarmos pensar em ter crianças, sermos mães. Dizem-nos que até é bom o regresso ao lar, afinal as mulheres hoje já não estão bem consigo, com a sua vocação, a sua natureza.

 

Dizem-nos que é “natural” e “inevitável” termos, por sermos mulheres, muito mais probabilidades de trabalhar na economia informal ou de receber um salário inferior ao que auferiríamos se fossemos homens. Dizem-nos que a violência doméstica é uma fatalidade, afinal quem não sai da relação é porque não quer, se não tem autonomia financeira é porque não quer trabalhar, ou trabalha pouco.

 

Cortam brutalmente nos serviços públicos e esperam que sejamos nós, as mulheres, a assumir, em trabalho não pago, o que entendem não ser bem público: a saúde, a educação, a protecção social, o cuidado dos/as idosos/as.

 

É suposto ainda acharmos “natural” e “inevitável” que, associado às políticas neoliberais, esteja um discurso profundamente conservador que pretende novamente tutelar os nossos corpos e a nossa autodeterminação.

 

A tudo isto respondemos: nada é inevitável. Todas estas situações são fruto de relações de poder, relações de força, interesses, perspectivas e escolhas. Sabemo-lo bem e não nos deixamos enganar.

 

As respostas a estes discursos e a estas políticas suicidas têm de passar pelos povos, pelos milhões de mulheres e homens que vivem diariamente esta crise e que não vislumbram futuro. É pela denúncia, pela recusa, pela mobilização que passa a solução. Uma solução verdadeiramente transformadora e emancipatória, na qual as mulheres têm um papel fundamental.

 

A MMM apela a todas as cidadãs e todos os cidadãos que queiram ser parte dessa solução a divulgar; mobilizar e participar na Manifestação do próximo dia 2 de Março, convocada por um conjunto alargado de pessoas sob o lema Que se Lixe a Troika ! O Povo é quem mais ordena ! Haverá manifestações por todo o país (mais informação aqui) .

 

Em Lisboa, ponto de encontro feminista às 15h30, junto ao edifício da PT em Picoas. Apelamos a que se juntem a nós vestidos/as com algo de cor lilás. Juntar-nos-emos depois àos/às companheiros/as da Maré Arco Iris http://www.facebook.com/events/169962236484560/?ref=ts&fref=ts

 

No dia 2 de Março, junta-te à onda feminista e ao protesto popular que irá mobilizar milhares de cidadãs e cidadãos.

Feministas somos e seremos, para escravas/os não sermos!

 

Evento facebook aqui http://www.facebook.com/events/566423840034711/?ref=ts&fref=ts

 

Informações sobre a manifestação de dia 2:

Texto de apelo | Concentrações / Manifestações

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por: Mulheres em Marcha




Feedback